Previdência Complementar

A importância de um plano de Previdência Complementar está no futuro. O planejamento financeiro ideal para a vida é aquele que permite desfrutar do momento atual, mas sem deixar de lado a preparação para o futuro.

Os limites de valores do INSS e a possibilidade de crise no sistema previdenciário oficial estimula a procura por outras formas de garantir um futuro mais tranquilo quando a velhice chegar.

É nesse cenário que entra o plano de Previdência como opção de complemento da aposentadoria, diversificação de investimentos ou forma de sucessão patrimonial

Previdência Privada como ferramenta de sucessão patrimonial

 

A Previdência é bastante recomendada para jovens, porque o esforço mensal de poupança é menor, visto que eles têm mais tempo para a aplicação.

No caso dos mais velhos, é necessário fazer as contas para saber a partir de quando o plano de Previdência Complementar, realmente vale a pena para si próprio.

No caso dos idosos, os custos e impostos podem chegar a ser altos se comparados com o esforço mensal de investimento.

Nesse caso, a Previdência Complementar pode ser interessante para a sucessão patrimonial.

A transmissão de herança feita por meio de um plano VGBL não cobra impostos se o beneficiário continuar a investir.

O Imposto de Renda só é cobrado para o resgate do montante da aplicação.

A maior vantagem que pode ser obtida em passar a herança por meio da Previdência Complementar é que o processo não inclui custos extras com advogados e documentação de cartório

 

 

12 Respostas para você fazer o melhor investimento.

  1. Por que fazer um plano de previdência privada?

A cada dia que passa, nossa expectativa de vida aumenta. No Brasil, por exemplo, de 1980 para 2009, ela cresceu de 62,5 para 72,8 anos (IBGE, dez/2009) e a tendência é continuar crescendo.

Além de querer descansar e aproveitar a vida, com o passar do tempo, podem surgir alguns custos adicionais. É importante, portanto, que você pense em como obter uma boa renda na sua aposentadoria, além do que será pago pela Previdência Social.

 

  1. Quem deve fazer previdência privada?

A previdência privada serve muito bem a qualquer pessoa que deseja complementar sua renda no período de aposentadoria. Esta aplicação é ainda mais indicada para quem tem renda superior ao teto do benefício pago pelo INSS (valor atualizado em 2010: R$ 3.416,54)

 

  1. Com qual idade devo fazer um plano de previdência privada?

Quanto antes você começar a planejar o seu futuro, maior será a sua tranquilidade. Por exemplo, se você começar a contribuir aos 30 anos de idade, com R$ 300,00 por mês, e supondo que o rendimento médio deste período seja de 8% ao ano (líquido da taxa de administração, ou seja, já descontando essa taxa), terá acumulado aos 65 anos de idade, R$ 646.905,88. Agora, se você começar a contribuir aos 40 anos de idade, sob as mesmas condições, chegará aos 65 anos com R$ 274.451,83.

 

  1. Existem planos de previdência para menores de idade?

Sim. Hoje em dia os pais, tios, avós e padrinhos já podem contratar planos de previdência voltados exclusivamente para crianças e jovens. O intuito desses planos é acumular recursos para pagar a faculdade, fazer um curso no exterior, um MBA, intercâmbio, abrir o próprio negócio etc. A Nórdica apresentará as Entidades de acordo com Perfil do menor.

 

 Como funciona um plano de previdência?

Para compreender melhor como funciona, podemos dividir em duas fases:
– Fase de acúmulo: você contribui com uma quantia mensal durante um longo período (em geral, de 20 a 35 anos).
– Fase de recebimento do benefício: você recebe o montante que acumulou no período anterior (se inicia logo após o término da fase anterior), e pode optar pelo recebimento em forma de renda ou de uma única vez.

 

 Como escolho meu plano?

Para definir seu plano de previdência privada, você precisa ter em mente três questões básicas: quando você deseja iniciar a aplicação, quando deseja se aposentar e quanto quer receber na aposentadoria.

Com isso você chega ao valor das contribuições mensais, ou seja, de quanto precisa desembolsar para atingir o montante desejado para o seu futuro. Aí, é só escolher o tipo de plano que deseja.

 

  1. Que produtos de previdência privada estão disponíveis para compra?

Os produtos mais comuns, disponíveis no mercado brasileiro são o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

  PGBL VGBL
A quem se destina Mais atraente para quem declara imposto de renda no formulário completo. Para quem declara imposto de renda no formulário simplificado, é isento ou tem previdência complementar e já abate o limite máximo de 12% da renda bruta anual.
Dedução fiscal durante o período de acumulação As contribuições podem ser deduzidas da base de cálculo do IR, em até 12% da renda bruta anual. As contribuições não podem ser deduzidas da base de cálculo do IR.
Tributação do Imposto de renda Durante o período de acumulação os recursos aplicados estão isentos de tributação. Somente no momento do recebimento de renda/pagamento único ou resgate haverá incidência de Imposto de Renda. Durante o período de acumulação, os recursos aplicados estão isentos de tributação. Somente no momento do recebimento de renda/pagamento único ou resgate haverá a incidência de Imposto de Renda, apenas sobre os rendimentos auferidos no período.
Tipos de Tributação Tabela Progressiva ou Tabela Regressiva. Tabela Progressiva ou Tabela Regressiva.

 

  1. Quanto meu dinheiro renderá?

É importante frisar que os planos de previdência não possuem qualquer tipo de garantia de rentabilidade uma vez que o dinheiro é aplicado em fundos de investimento. O rendimento pode variar de acordo com a escolha de fundo: você tem opções conservadoras, moderadas ou mais agressivas. Depositando, por exemplo, R$ 300,00 por mês, durante 30 anos e supondo que o rendimento médio deste período seja de 8% ao ano (líquido da taxa de administração, ou seja, já descontando essa taxa), a reserva acumulada será de R$ 425.283,97

 

  1. Quais são taxas cobradas nos planos de previdência?

Qualquer aplicação financeira está sujeita a taxas e impostos. Por isso, informe-se bem antes de adquirir um produto financeiro. As principais taxas aplicadas em um plano de previdência privada são: taxa de administração financeira (TAF) e taxa de carregamento. Essas informações podem ser consultadas no site das instituições financeiras e nos materiais de publicidade dos produtos de previdência e variam de acordo com o plano contratado.

 

  1. Como você deseja receber o benefício?

Você poderá optar por receber o benefício em forma de renda vitalícia ou por tempo determinado, dependendo do que estiver disponível no plano. Também poderá optar pelo recebimento do valor acumulado, de uma única vez.

  1. Garantias adicionais

Você também pode contratar coberturas adicionais, que servem para proteger você e a sua família em caso de imprevistos, como morte e invalidez. As coberturas mais comuns que você pode contratar em conjunto com o seu plano de previdência são: pecúlio por morte e as pensões (por prazo certo, aos menores, ao cônjuge ou companheiro) que são indicadas para quem quer deixar a família amparada em caso de falecimento. Também existe a cobertura para invalidez que oferece uma renda mensal, em casos de invalidez total e permanente.

 

  1. Escolha a instituição certa

A Nórdica apresentará de acordo com Perfil de tempo de invetimentos, Objetivos de curto, médio e longo Prazo a melhor instituição priorizando o melhor retorno sobre investimento.

 

 

Fale com especialista

Fale com o Especialista Nórdica: (11) 3351-5545

Parceiros Nórdica

     

Fale com especialista

Fale com o Especialista Nórdica: (11) 3351-5501

Dados de contato: